10.6.11

Dois poemas do meu livro TRÍVIO para João Gilberto no dia dos seus oitenta anos

Obs.: Lembrar de comentar com ela
o quanto a música do João faz mais sentido
quando se está apaixonado.

5 comentários:

rita brant disse...

Aaaa..., desde muito antes, como eu gosto da tua poesia!
Beijos da Rita

Unknown disse...

joão não tem explicação e não tem paixão que se lhe resista, faz sentido, portanto, sempre... quando é que poeta não está apaixonado?

Ricardo Aleixo disse...

Beijo, Rita! Ozias: NÃO estou sempre apaixonado (talvez por não ser "poeta de verdade"...). O que eu quis dizer foi que amo em João coisas que escapam ao meu entendimento (que não fazem sentido PARA MIM,compreende?). E que, apaixonado, tais coisas se revelam claras, translúcidas, limpas como a luz sob o céu azul de Belo Horizonte a esta hora de um dia que já começou lindo só porque acabei de falar com Ela ao telefone.

luis turiba disse...

Querido Ricardo
Construindo um poema para a estátua de Drummond em Copa, fui busca a palavra trívio e cai no lindo poema-samba pros 80 de João.
Sua benção, meu irmão

Turiba
agora no Rio

Anônimo disse...

salve, ricardo!
eu falei um desses poemas sobre o joão numa recente leitura no terças poética aí em bh, homenagem modesta a john cage.
grande abraço
celso borges